Overblog
Seguir este blog
Edit post Administration Create my blog
El polvorín

Brasil pretende exportar sus vicios hidroeléctricos.

19 Abril 2011 , Escrito por El polvorín Etiquetado en #Politica

 

Gobierno de Brasil se enfrenta con la OEA por dictamen de la Comisión Interamericana de Derechos Humanos (CIDH) que exige detener construcción de polémica represa Belo Monte en la Amazonía. Simultáneamente desde dentro de Brasil y desde todo el mundo arrecian las críticas a la  eventual construcción de la faraónica represa que amenaza el mayor Parque Indígena (Reserva Indígena), la Reserva de Xingú, comprometiendo el futuro de varios pueblos originarios que allí sobreviven y poniendo en peligro la existencia de la Amazonía como un todo, obligandola a agonizar como una serie de inviables islotes de bosque tropical.

 

El mal estado de las represas, la inseguridad en las mismas y la carencia de normatividad de construcción es conocida en el Brasil, es pública y notoria: son varias las asociaciones de ingenieros que han advertido el peligro de la masiva construcción de represas para hidroeléctricas. El colapso de la represa Algodôes, el 2009, en el Estado de Piauí, así como la rajadura y rotura de decenas de otros embalses, aunque poco conocida en el extranjero, tiene alamados a los brasileños.

 

Ahora Brasil pretende exportar sus vicios hidroeléctricos, concretamente al Perú: ya se ha pactado secreta, autocratica e írritamente un PAQUETON DE MAS DE SEIS GRANDES REPRESAS AMAZÓNICAS entre los caudillos Lula da Silva y Alan García, con lo que Perú podría perder territorio y perdería el dominio de las tres cuartas partes de las aguas de su cuenca amazónica.

 

 

Demanda de la OEA genera debate en Brasil


Hidroeléctricas.  Preocupación por mal estado de las represas. Gobierno de Dilma Rousseff rechazó las críticas de la OEA contra la represa de Belo Monte.

 

Mallcolm Allison. Especial para La República. http://www.larepublica.com.pe/impresa/demanda-de-la-oea-genera-debate-en-brasil-2011-04-09

 

Mientras el gobierno de Brasil se enfrentó con la OEA por un dictamen de la Comisión Interamericana de Derechos Humanos (CIDH) que exige detener las obras de una polémica represa en la Amazonía, en Brasil aumentan las críticas por el mal estado de las represas.

 

El 5 de abril  CIDH solicitó que Brasil detenga de forma “inmediata” las obras de la hidroeléctrica de Belo Monte, que comenzaron el mes pasado en el municipio selvático de Altamira, en el estado de Pará, con la oposición de organizaciones ecologistas, indígenas y campesinos.

 

Desde el 2009, cuando colapsó la represa Algodôes, en el estado de Piauí (seis muertos y 3.000 damnificados), en Brasil, son varias las asociaciones de ingenieros que han advertido el peligro de la masiva construcción de represas para hidroeléctricas.


Edilberto Maurer, presidente del Comité Brasileño de Represas (CBDB), exigió la necesidad de que el Congreso brasileño apruebe una Política Nacional de Seguridad en Represas.

 

La prensa brasileña denunció las relaciones entre el sector de la energía del gobierno (sobre todo Eletrobrás), actualmente operado por el grupo Sarney, con los grandes contratistas como Odebrecht, Camargo Correia, Andrade Gutiérrez, que, vale la pena recordar, se encuentran en los primeros lugares en el ranking de los principales donantes a las campañas políticas, incluyendo el oficialista Partido de los Trabajadores.

 

El Dato

 

Hacen agua.  Brasil tiene 15 mil reservorios y espejos de agua con más de 20 hectáreas, pero el país no cuenta con un programa nacional de seguridad de represas.
Y ahora quieren construir en Perú.

 

 

 

larepublica.pe/impresa-2011-04-09 DETALLES DE NOTAS

 

http://www.larepublica.com.pe/impresa/demanda-de-la-oea-genera-debate-en-brasil-2011-04-09

 

 

--------------------------------------------

 

Alarmante: Todas las represas suponen graves riesgos en el Estado brasileiro de Piauí

02/11/2011 - El informe de inspección de las grandes represas de Piauí, realizado por CREA (Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura) se dará a conocer en la última semana de febrero, pero DIÁRIO DO POVO adelantó que se ha establecido que se presentaron problemas serios, algunos con grave riesgo , según el presidente de CREA, José Borges Araújo. El documento todavía está en borrador, pero todas la antiguas represa con una capacidad de más de 8,5 millones de metros cúbicos de agua, tienen problemas de mantenimiento.

El lunes 21, el Instituto de Desarrollo de Piauí (IDEP) presentará el proyecto para reconstruir la represa Algodôes I, en Cocal da Estação, que se quebró en 2009 y causó nueve muertes. El comité de inspección de represas lo componen representantes de CREA-PI, DNOCS (Departamento Nacional de Obras Contra la Sequía), Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Corpo de Bombeiros, Idepi y Ministério Público La fecha límite para completar el informe expiró en enero, pero el presidente de CREA presionó para acelerar la realización de la inspección y la presentación del informe. El superintendente de DNOCS, Rufino José Carvalho, dijo que la Política Nacional de Seguridad en Reprsas y el Plan Nacional de Seguridad de Represas se crearon después de la ruptura de la represa de Algodões en Cocal. El objetivo es proporcionar el mantenimiento necesario para las grandes represas, especialmente las que se encuentran en la región semiárida.

Dijo que el mantenimiento es realizado por DNOCS en diversas regiones. José Carvalho citó represas como Pedra Redonda, Salinas, Conceição, Jenipapo, Cajazeiras entre otras. Dijo que las represas estaban al 70% de su capacidad de almacenamiento de agua. Otras, como Açude Caldeirão, em Piripiri, están siendo desaguadas. "Estamos haciendo el seguimiento, porque la población tiene miedo cuando se acumula mucha agua, especialmente después de la tragedia de Algodôes. Hasta ahora no hemos visto nada demasiado serio", dijo.

Los diques fueron construidos para el abastecimiento de agua, riego y para apoyar proyectos de desarrollo o para regular el flujo de los ríos. El actual presidente del IDEP, Elizeu Aguiar, también confirmó que el instituto cuenta con un informe técnico de evaluación y las medidas fueron adoptadas para dar tranquilidad a la población que rodea a estas represas.

Dijo que recientemente la válvula de control de flujo de la represa Algodôes II en Curimatá, fue reemplazada, lo que duplicó la capacidad de flujo, sin poner en peligro la estructura. La represa tiene una capacidad de 250 millones de metros cúbicos de agua. Técnicos de IDEP se reunirán el lunes 21 con el gobernador Wilson Martins y presentarán el informe de mantenimiento para la reconstrucción de la represa Algodôes en Cocal.

 

 

Alarmante: Todas as barragens do Piauí apresentam riscos graves

 

 

11-2-2011 - O relatório de vistoria das grandes barragens do Piauí realizada pelo Crea (Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura) será divulgado na última semana de fevereiro, mas o DIÁRIO DO POVO apurou que foram apresentados problemas sérios, algumas com risco grave,

segundo o presidente do Conselho, José Borges Araújo. O documento ainda está sendo confeccionado, mas todas as antigas barragens, com capacidade para mais de 8,5 milhões de metros cúbicos de água, têm problemas de manutenção.
Na segunda-feira 21, o Instituto de Desenvolvimento do Piauí (Idepi) apresenta o projeto para a reconstrução da barragem Algodões I, em Cocal da Estação, que rompeu em 2009 causando nove mortes. A comissão de vistoria das barragens é composta por representantes do Crea-PI, Dnocs (Departamento Nacional de Obras Contra as Secas), Secretaria de Infraestrutura, Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Corpo de Bombeiros, Idepi e Ministério Público.
O prazo para a conclusão do relatório expirou em janeiro, mas o presidente do Crea pressiona as instituições para agilizar a finalização da vistoria com a apresentação dos laudos. O superintendente do Dnocs, José Carvalho Rufino, disse que a Política Nacional de Segurança das Barragens e o Plano Nacional de Segurança das Barragens foram criados depois do rompimento da barragem Algodoes I, em Cocal. O objetivo é dar manutenção necessária às grandes barragens, principalmente, as que se encontram na região do semiárido.
Segundo ele, a manutenção está sendo feita pelo Dnocs em várias regiões. José Carvalho citou barragens como Pedra Redonda, Salinas, Conceição, Jenipapo, Cajazeiras, dentre outras. Ele informou que as barragens estão com 70% da capacidade de armazenamento d´água. Outras, como o Açude Caldeirão, em Piripiri, estão sangrando. "Estamos fazendo o monitoramento, até porque a população tem temor de onde acumula muita água, principalmente depois da tragédia de Algodões. Até agora não vimos nada de muito grave", garantiu.
As barragens foram construídas para abastecimento de água, irrigação e para apoio a projetos de desenvolvimento ou para regularizar a vazão dos rios. O atual presidente do Idepi, Elizeu Aguiar, também confirmou que o instituto tem um relatório técnico de avaliação e foram adotadas medidas para dar mais tranqüilidade para a população circunvizinha dessas barragens.
Ele informou que recentemente foi trocada a válvula de controle de vazão da barragem Algodões II, em Curimatá, que dobrou a capacidade de vazão, sem comprometer a estrutura. A barragem tem capacidade para até 250 milhões de metros cúbicos de água. Os técnicos do Idepi se reúnem na segunda -feira (21) com o governador Wilson Martins e vão apresentar o relatório de manutenção para a reconstrução da barragem Algodões I, em Cocal.

 

 

 

 

22-9-2010 -  As vítimas da barragem Algodões I, ainda não receberam a pensão solicitada pelo Ministério Público e a Justiça de Cocal, nem tão pouco as indenizações pelos prejuízos causados pelo rompimento da barragem, as agrovilas Boíba I tem água más não tem energia, Jacaré tem energia, mas não tem água, Massalina tem água e luz mas poucos moradores, Olho d'agua tem energia e água, só que não é suficiente para atender as famílias, agora as vítimas estão sendo chamadas pelo Governo do Estado, Defesa Civil e Sasc, para fazer um novo cadastramento, onde são entrevistados, o objetivo é tentar corrigir distorções que estão no Avadan e assim começar o pagamento das pensões e indenizações de quem realmente foi prejudicado com o rompimento da barragem algodões I.  http://genesis.brasilportais.com.br/

 

 

 

 

 

25-10-2010 - Com o objetivo de ser mais um local de lazer e diversão para todos os Cocalenses, será inaugurado dia 14 de Novembro, o Complexo de Lazer Meu Xodó, em Angico Branco, tem também o objetivo de revitalizar uma das áreas mais atingidas pelo rompimento da barragem algodões, durante todo o percurso de Cocal ao Complexo, ainda se pode ver as marcas das tragédia, ali em meio a tragédia, surge um Oasis e ele chama-se, Complexo de Lazer Meu Xodó que para sua inauguração contratou três grandes atrações, a festa começa as 5 da tarde em ponto com KN SHOW de Sobral, prossegue com o show do Cantor JOSÉ ORLANDO e se encerra com o a mais tocada do Nordeste FORRÓ SUPERID, tudo isso por apenas DEZ REAIS. genesis.brasilportais.com.br/.../   180graus.com/cocal/dia-14-tem-kn-show-jose-or...

 

 

 

 

 

El Ministerio Público Federal (MPF) y el Estadual (CPE) iniciaron una acción civil contra la Fundación Nacional del Indio (FUNAI), en el Foro de los tribunales federales de Arapiraca. La solicitud se refiere a la negligencia del presidente de la FUNAI, Marcio Augusto Freitas de Meira, y el coordinador regional de la Funai en Alagoas, Federico Vieira Santos, sobre la realización de obras en la represa de la aldea Xucuru Kariri, en el bosque de Cafurna, en Palmeira dos Índios. El objetivo de la acción es defender los derechos fundamentales, el medio ambiente y los intereses de la población indígena local. Los procuradores de Brasil, Jose Godoy Bezerra y Samir Nachef Junior y los promotores Justiça Rogério Paranhos e Maurício Amaral, sostienen que hay un alto riesgo de rotura de la represa, situada en el pueblo indígena Xucuru Kariri, dada la precaria situación de conservación. Así que pedimos que Funai sea obligada a rebajar en un plazo de cinco días, el nivel del agua de la represa, en tres metros, y en un plazo de diez días, presente el necesario e indispensable plan para la recuperación de la represa, bajo pena de multa diaria de R $ 50 mil (en contra de la empresa) y R $ 10 mil en contra de los gestores. Construida en los años 40´s, hasta el momento no ha recibido ningún tipo de mantenimiento, la represa embalsa 70.000 metros cúbicos de agua. Además de las grietas constatadas en el procedimiento administrativo (apartado 1.11.001.000104/2009-11), que dio lugar a la recomendación, el inicio de la temporada de lluvias en la región y la proximidad de cuatro represas en el área, preocupa al Ministerio Público. "La represa se encuentra en una cuesta empinada, con acentuado declive, sus aguas vierten de ordinario en dirección a Palmeira dos Índios. No sólo eso, entre el dique y la ciudad hay cuatro represas, que en conjunto tienen cerca de 36 metros cúbicos de agua. Añadidos a los 70 000 de la represa, en caso de rotura de la represa, el riesgo de muerte, destrucción y daños irreparables a la población son enormes" remarca el Ministerio Público.

 

  Ação Civil Pública conjunta pede recuperação da barragem da Cafurna em Palmeira

 

27 de abril de 2010 - Os Ministérios Públicos Federal (MPF) e Estadual (MPE) entraram com uma ação civil pública contra a Fundação Nacional do Índio (Funai), no Fórum da Justiça Federal, localizado em Arapiraca. O pedido foi realizado às 15h e refere-se à negligência do presidente do órgão, Márcio Augusto Freitas de Meira, e do coordenador regional da Funai em Alagoas, Frederico Vieira Santos, quanto ao cumprimento da realização de obras na barragem da Aldeia Xucuru Kariri, na Mata da Cafurna, situada em Palmeira dos Índios.O objetivo da ação é defender direitos fundamentais, o meio ambiente e interesses da população indígena local. Os procuradores da República José Godoy Bezerra e Samir Nachef Júnior e os promotores de Justiça Rogério Paranhos e Maurício Amaral sustentam que é alto o risco de rompimento do paredão da barragem, situada no interior da aldeia indígena Xucuru Kariri, em razão das circunstâncias do precário estado de conservação. Por isso, pedem que a Funai seja obrigada a rebaixar, num prazo de cinco dias, o espelho d'água da barragem em três metros e, num prazo de dez dias, apresente as medidas necessárias e imprescindíveis à recuperação da barragem, sob pena de multa diária no valor de R$ 50 mil (contra a empresa ) e R$ 10 mil contra os gestores.Construída na década de 40 e até o momento sem nenhuma manutenção, a barragem sustenta 70 mil metros cúbicos de água. Além das rachaduras constatadas durante o procedimento administrativo (nº 1.11.001.000104/2009-11), que motivou a recomendação, o início do período chuvoso na região e a proximidade de quatro açudes da área da barragem preocupam o Ministério Público."A barragem se localiza em local íngreme, de declive acentuado, cujas águas regulares vertem em direção ao município de Palmeira dos Índios. Não bastasse isso, entre a barragem e a cidade existem quatro açudes que, juntos, possuem aproximadamente 36 mil metros cúbicos de água . Somados aos 70 mil da barragem, possivelmente, em caso de rompimento, há risco de morte, destruição e danos irreparáveis à população", justifica o órgão.

Com Gazetaweb
.
.

Riesgo de rotura de represas de Aldeia Xucuru Karirien, Brasil -  24-4-2010 - La represa del bosque de Cafurna, situado en una reserva india en Palmeira dos Índios, volvió a preocupar a la población palmeirense ante el peligro de que se rompa debido a las lluvias y el inicio del invierno. El Secretario Municipal de Infraestructura, ingeniero civil Jesimiel Pinheiro aseguró que lo que se pretendía hacer a través de la prefectura, se realizó, se trabajó en la reducción del nivel del agua y la mejora del manantial. Infelizmente, dijo el ingeniero, con las últimas lluvias, el nivel del agua aumentó de nuevo y la carretera fue seriamente afectada por la erosión. Para el Ingeniero, una solución inmediata para evitar la rotura de la represa, sería vacíar todo el volumen de agua. Sin embargo, aseguró que se requiere un permiso del Ministerio Público Federal, porque la represa está situada en una reserva indígena. Jesimiel Pinheiro explicó que todos los documentos fueron remitidos al departamento de infraestructura de la Fundación Nacional de Indio - FUNAI, al Ministerio Público, a Defensa Civil, al Departamento Nacional de Obras Contra la Sequía - (DNOCS), pero hasta ahora nada se ha ejecutado en lo que respecta a la protección de la gran muralla del reservorio construido hace 70 años por el DNOCS.

Tragedia anunciada – la rotura de la represa de Cafurna, si se produce, sería una tragedia anuncia como el derrumbe de la colina de Bumba, en Niteroi. Las casas fueron construidas en los inestables suelos de un vertedero y las autoridades estaban al tanto de la "bomba de tiempo" que puede explotar en cualquier momento y cobrar vidas inocentes. El coordinador estatal de Defensa Civil, coronel Jadir Ferreira, quien inspeccionó la represa y constató el riesgo que representa para la población, dijo que no puede llevar a cabo ningún trabajo sin el consentimiento de la Funai. En el caso de rotura de la represa, otros reservorios colapsarían y parte de la ciudad se verán seriamente afectada, especialmente en el centro de la Palmeira dos Índios. Esta observación es del Secretario Ejecutivo de Defensa Civil, el coronel Denilson Cruz.

O prefeito de Palmeira dos Índios James Ribeiro (PSDB) a vice-prefeita Verônica Medeiros, o presidente do Rotary Clube Edvaldo Cunha, representante da Câmara de Dirigentes Lojistas – CDL, Associação Comercial e Sindicato do Comercio Varejista – Sindlojas estiveram reunidos durante a manhã da ultima sexta-feira, 23.
No encontro que contou com a presença do secretário municipal de Articulação Política, Antonio Fonseca ficou decidida uma audiência pública na próxima terça-feira, 27, às 15 h no Fórum da Justiça Federal em Arapiraca.
Na audiência pública os órgãos entrarão com uma representação contra a Fundação Nacional do Índio – Funai, no objetivo de serem tomadas medidas, em caráter de urgência no sentido de serem realizadas obras de recuperação do paredão da Barragem da Cafurna.

Perigo de rompimento

A barragem da mata da Cafurna, localizada em uma reserva indígena em Palmeira dos Índios, voltou a preocupar a população palmeirense diante do perigo de rompimento em razão das ultimas chuvas e o inicio do inverno.O secretário municipal de Infra-estrutura, engenheiro civil Jesimiel Pinheiro, assegurou que, o que estava previsto fazer através da Prefeitura foi realizado no que se refere à diminuição do nível de água e a melhoria da estrada vicinal de acesso ao manancial.Infelizmente, explicou o engenheiro, com as ultimas chuvas caídas em Palmeira dos Índios nos últimos dias, o nível de água voltou a subir e a estrada foi seriamente prejudicada com a erosão.Para o Engenheiro, uma solução imediata para evitar o perigo de um rompimento seria esvaziar todo o volume de água. No entanto, assegurou este serviço somente poderá ser feito com uma autorização do Ministério Público Federal, em razão da barragem esta situada em uma reserva indígena.Explicou Jesimiel Pinheiro que foram encaminhados todos os procedimentos através da pasta de infra-estrutura para a Fundação Nacional do Índio – Funai, Ministério Público, Comissão de Defesa Civil, Departamento Nacional de Obras Contra as Secas – (Dnocs) mas até o momento nada foi executado no que diz respeito a proteção do grande paredão construído há 70 anos pelo Departamento Nacional de Obras Contra as Secas – (Dnocs).Tragédia anunciadaUm possível rompimento da barragem da Cafurna em Palmeira dos Índios caso ocorra, é uma tragédia anunciada a exemplo do desmoronamento do morro do Bumba em Niterói. As casas foram construídas sobre um lixão desativado e as autoridades tinham conhecimento da “bomba relógio” que poderia explodir a qualquer momento como aconteceu ceifando vidas inocentes.O coordenador estadual da Defesa Civil, coronel Jadir Ferreira, assegurou na época que esteve na barragem, que a vulnerabilidade da barragem e o risco que ela oferece à população, mas, admitiu que não pode tomar a iniciativa de realizar nenhuma obra sem a autorização da Funai. Caso ocorra um rompimento da barragem, mais dois reservatórios serão atingidos e parte da cidade será seriamente atingida principalmente o centro da cidade. Essa observação é do secretário executivo de Defesa Civil Coronel Denílson Cruz. bobgonsalves.blogspot.com/2010_04_01_archive.html
alto o risco de rompimento do paredão da barragem, situada no interior da aldeia indígena Xucuru Kariri , em razão das circunstâncias do precário estado de conservação. Construída na década de 40 e até o momento sem nenhuma manutenção, a barragem sustenta 70 mil metros cúbicos de água. Além das rachaduras constatadas durante o procedimento administrativo (nº 1.11.001.000104/2009-11), que motivou a recomendação, o início do período chuvoso na região e a proximidade de quatro açudes, da área da barragem preocupam o Ministério Público.
 

Barragem descuidada amedronta povoado em Palmeira dos Índios

Moradores do povoado Caldeirão de Cima temem o rompimento da obra que não passa por reparos há 10 anos

 

22.12.2010 - infiltrações no paredão da barragem do Bálsamo estão tirando o sono dos moradores do povoado Caldeirão de Cima, no município de Palmeira dos Índios. As 70 famílias que moram no local temem um possível rompimento da barragem.

Os moradores mostram os pontos de risco à reportagem da TV Gazeta. Barro molhado e água escoando sem nenhum empecilho fazem parte do cenário.

A barragem do Bálsamo foi concluída há 10 anos. Desde o fim da construção, a obra não passou por reparos.

-

Secretaria diz que não há riscos em barragem de Palmeira

Superintendente diz que escoamento natural de água será disciplinado através de filtros e sistema de drenagem

 

27.01.2011 | A assessoria de comunicação da Secretaria de Estado da Infraestrutura de Alagoas (Seinfra-AL) emitiu uma nota à imprensa, na manhã desta quinta-feira (27), assegurando que a Barragem do Bálsamo, construída no município de Palmeira dos Índios, não apresenta qualquer risco de ruptura - apesar de moradores do povoado Rua Nova (já em Quebrangulo, cidade vizinha) terem denunciado o surgimento de rachaduras, devido à ação do tempo, o que poderia provocar grandes estragos à comunidade, que afirmou temer ficar ilhada mediante a possibilidade de chuvas na região.

 

http://gazetaweb.globo.com/v2/noticias/texto_completo.php?c=222769

A obra não receberia reparos já há 10 anos, o que, para moradores de outra comunidade, a do Caldeirão de Baixo - povoado que fica a menos de 500 metros de distância da construção - também seria motivo de preocupação.

- Saiba mais, acessando matérias relacionadas!

Em entrevista a uma rádio daquele município, o superintendente de Projetos Especiais da Seinfra-AL, Ricardo Aragão, explicou a representantes da prefeitura municipal e à população local que a infiltração é um processo previsível em razão das características do terreno estratificado da região.

“O solo é composto de camadas que se alternam entre trechos mais permeáveis que outros. Essa infiltração, embora não seja desejável, foi prevista nos modelos de cálculo e não representa nenhum risco, pois não há carreamento de material que possa comprometer a integridade estrutural da barragem", disse Aragão.

Ainda segundo ele, 'a tecnologia utilizada para a construção da barragem inclui a instalação de filtros longitudinais e drenos, evitando-se assim que processos erosivos comprometam a integridade estrutural'. "Entendemos a preocupação dos moradores. Afinal, todos permanecemos sensíveis com a tragédia ocorrida em 2010, após as enchentes [que deixaram milhares de desabrigados em Alagoas]. Mas, apesar da aparência desagradável da infiltração, não há motivos para preocupação”, explicou Aragão.

Ainda de acordo com o superintendente da Seinfra-AL, o sistema de filtros e drenagem da lateral da barragem será ampliado, disciplinando o escoamento da água para o dreno já implantado.

“Já elaboramos o projeto e vamos executar a ampliação do filtro e do dreno invertido na lateral da barragem, visando disciplinar a infiltração da água até o sistema de escoamento, onde é possível realizar inspeções periódicas das vazões de drenagem e se há carreamento de materiais que possam comprometer a estrutura”, informou Ricardo Aragão.

Durante a entrevista, o prefeito de Quebrangulo, Marcelo Lima, também comentou o assunto e buscou tranquilizar a população local.

A Barragem do Bálsamo foi concluída em 2007 e integra o Projeto de Irrigação do Bálsamo, destinado aos pequenos produtores rurais de Palmeira dos Índios. O projeto para implantação dos sistemas de irrigação está em fase de licitação e, quando concluído, permitirá o aproveitamento hidroagrícola da água armazenada na barragem.

-
barragem Helenildo Ribeiro, também conhecida como barragem do Bálsamo, construída com recursos do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC), por R$ 26 milhões, em Palmeira dos Índios (AL),

Moradores de povoado ameaçam quebrar barragem

Trabalhadores temem que novas chuvas provoquem inundação e destruição no lugar

16-1-2011 - O medo que a barragem do Bálsamo venha a estourar aumentou para os moradores do Caldeirão de Baixo, povoado que fica a menos de 500 metros de distância da construção. Desde a chuva da semana passada, várias pessoas afirmam que não conseguem dormir à noite por medo de um novo temporal. “Se vier outra chuva daquela, a barragem estoura e todo mundo que está aqui vai morrer”, adverte a agricultora Maria da Conceição Berto.
http://gazetaweb.globo.com/v2/noticias/texto_completo.php?c=221718

Segundo ela, vários meses atrás a comunidade denunciou os problemas na barragem e a prefeitura ficou de enviar um engenheiro para o local. “Mas não mandaram ninguém, acho que eles estão esperando acontecer uma tragédia para poder fazer alguma coisa. Só que antes disso acontecer, nós é que vamos destruir as comportas da barragem”, declarou a moradora.

Prefeitura afirma que não há risco

Palmeira dos Índios – O secretário de Infraestrutura de Palmeira dos Índios, Jesimiel Pinheiro, garante que não há risco de ruptura da barragem do Bálsamo que não há motivos para os moradores se preocuparem. “Os especialistas que estiveram lá disseram que aquelas ‘minações’, cujo nome técnico é filtro de pé, não trazem risco de rompimento”, declarou.

Ele explica que esses filtros de pés são comuns àquele tipo de barragem. De acordo com ele, o pequeno volume escoado do paredão é necessário para manter a barragem inteira. “Não há fissuras, recalques ou deformação na barragem. Portanto, não existem reparos a serem feitos”, declarou.

Chuvas destruíram safras de manga e caju do município

Palmeira dos Índios – Segundo informações da coordenação municipal da Defesa Civil, as chuvas da última terça-feira provocaram estragos maiores na zona rural do município do que propriamente dentro da cidade. De acordo com informações preliminares que serão incluídas no relatório de Avaliação de Danos (Avadan), que deve ser concluído nesta segunda, cerca de 80% das safras de caju e manga plantadas por agricultores familiares se perderam.

“O principal responsável pelas perdas foi um vendaval que veio com a chuva daquele dia. Os fortes ventos derrubaram muitas árvores e, naquelas que permaneceram de pé, não sobraram frutos. Dos 300 hectares plantados de caju e 310 hectares de manga, segundo dados do IBGE, estimamos que 80% da produção desses frutos ficou comprometida”, afirmou o coordenador municipal da Defesa Civil, Manoel Alfredo Brandão de Souza.

 

 

Barragem da Cafurna volta a ameaçar Palmeira dos Índios - Radio ... Hoje: 17/04/2011, notícia atualizado em 14/04/2010 - 11h 44. Barragem da Cafurna volta a ameaçar Palmeira dos Índios. Anuncie Noticia. A barragem da mata da ...
www.radiosampaio.com.br/.../noticia_principal.php?... - En caché - Similares

Ação Civil Pública conjunta pede recuperação da barragem da ...27 abr. 2010... pede recuperação da barragem da Cafurna em Palmeira Leia mais aqui…. ... 04-01-2011 19:00 MP pode ajuizar ação civil pública em matéria ...
noticias.centralblogs.com.br/post.php?...barragem...cafurna...palmeira... - En caché

Condenada pela Defesa Civil, barragem ameaça 15 mil pessoas em ...9 mar. 2010 ... A barragem do Cafurna, em Palmeira dos Índios (AL), a 134 km de Maceió, se tornou um problema para as ... Mais notícias. 16/04/2011; 13h10 ...
noticias.uol.com.br/.../condenada-pela-defesa-civil-barragem-ameaca-15-mil-pessoas-em-alagoas.jhtm - En caché - Similares

 

HOUVE CONCORRÊNCIA DE DIVERSOS FATORES PARA FORMAÇÃO DO DESASTRE

 Quinta-feira, Julho 08, 2010

Foto: Ruptura do Açude das Nações

1- Desastre causado pelo rompimento da barragem de Com Conselho (Açude da Nação)
A Barragem de Bom Conselho tem capacidade para acumular até 800 milhões de metros cúbicos de água. Chovia forte há cinco dias. Início da tarde de 18 de junho, dezenas de moradores observam a Barragem das Nações. O imenso açude construído há mais de 50 anos no leito do Rio Papacacinha, que corta a cidade, está saturado. Desde cedo o Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil alertam os moradores do centro da cidade. Às 13h30, as águas começam a transpor o paredão de terra de quase duzentos metros de comprimento por 12 metros de altura. Não demora muito e o que todos temiam acontece. A Barragem das Nações não suporta a pressão e rompe. Quarenta metros do paredão são arrastados aos poucos. Um volume imenso de água desce furioso o leito do Papacacinha, inunda parte do centro de Bom Conselho, invade casas e desabriga famílias. Pequenos açudes agravaram ainda o problema.
Aproximadamente 600 milhões de m3 d’água escoaram de uma só vez pelo Rio Papacacinha que tem apenas 5 metros de largura em Bom Conselho. O resultado não foi uma enchente e sim uma rápida vazão de água, seguida de alagamento e uma correnteza devastadora, ou o efeito tsunami. . A água escorreu pelo Rio Paraiba, ganhou força em mais dez afluentes ao longo do curso e chegou aos municípios alagoanos. É o único rompimento de barragem registrado em vídeo. Este volume de água equivale a uma precipitação de 180 mm/dia durante 134 dias.
O rompimento da barragem foi a causa principal da devastação em Quebrangulo, e Santana do Mundaú. Um autêntico tsunami de rio. .
2- Rio Canhoto, que tem uma série histórica de inundações passadas na região
3- Conjunção das águas da chuva, rios temporários, do rompimento da barragem ( Açude da Nação) e dos rios com aumento do volume de água por causa das chuvas
4 – A região possui um número elevado de barragem de propriedades particulares, açudes. Muito provável algumas barragens abriram suas comportas para evitar rompimento, aumentando o volume de água dos rios.
5- Topografia da região constituída de serras e vales. Os rios têm forte correnteza quando estão cheios.
"Essa catástrofe se deve ao evento extremo de chuva nas cabeceiras dos rios Mundaú e Paraíba. Foram chuvas da ordem de 400 milímetros em quatro dias. O dia mais crítico foi a sexta-feira (18), quando choveu cerca de 180 milímetros. Não há vazão suficiente no solo já encharcado, principalmente porque o solo na região é rochoso. Temos de avaliar que isso é um evento que poderá acontecer de 100 em 100 anos", disse Alexa Gama, secretário de Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Alagoas.zonaderisco.blogspot.com/2010/07/inundacao-me...

 

  -------------

 

Escribió Biólogo Malcolm Allison

 

  ..

Compartir este post

Comentar este post