Overblog
Seguir este blog
Edit post Administration Create my blog
El polvorín

Faraónica represa de Jirau entre Brasil/Bolivia: 22,000 obreros reclamaron por trato esclavo

18 Marzo 2011 , Escrito por El polvorín Etiquetado en #Politica

Conflito paralisa obras da usina hidrelétrica Jirau.

 

 

16 de marzo de 2011, enfrentamiento en complejo hidroeléctrico de Jirau llevó a la quema y destrucción de varios autobuses que realizan el transporte de los trabajadores a los alojamientos. Al día siguiente le tocó a los apartamentos y oficinas que no habían sido destruidos por los disturbios del miércoles, terminaron hechos cenizas.

 

.

Conflicto detiene la construcción de la hidroeléctrica de Jirau.

 

  noticiadoamapa.blogspot.com/

 

El enfrentamiento entre los trabajadores en la planta de Jirau en el río Madeira, en Rondônia, aumenta el riesgo de retraso en la entrega de la represa, cuyo inicio de operaciones estaba previsto para marzo de 2012. El presidente del Consorcio ESBR, ganador de la licitación, Victor Paranhos, dijo que las obras se detienen por completo. Ayer jueves 17 de marzo de 2011, otro enfrentamiento en la planta llevó a la quema de apartamentos y oficinas que no habían sido destruidos por los disturbios del miércoles, con la quema y destrucción de varios autobuses que realizan el transporte de los trabajadores a los alojamientos. "No sabemos cuánto tiempo va a paralizar la obra, pero tenemos que retomar el control de la obra. El episodio puede causar reevaluación de plazos", dijo Paranhos. (Valor Econômico - 18/03/2011)

 

 

 


Ao todo, a empresa tem 22,000 trabalhadores envolvidos na construção da usina, uma da maiores obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e que forma o complexo hidrelétrico do Madeira junto com a usina de Santo Antônio.

 

 

 

 

 

 

 

Trabalhadores saem com o que podem salvar

Pericia avalia prejuízo na Jirau

 

Usina de Jirau - Conflito deixa mais 15 mil desalojados

A situação no ginásios de esporte do SESI  para o qual cerca de 15 mil trabalhadores da usina hidrelétrica de Jirau foram levados, após a rebelião desta semana, são consideradas caóticas. Milhares de pessoas estão fora do ginásio, em colchões improvisados e banheiros sem infraestrutura sanitária adequada. Os trabalhadores não sabem para onde vão principalmente os das empresas terceirizadas, que até o momento não recebem informações das companhias. No local, é comum ver grupos de trabalhadores com malas nas costas tentando ir para algum lugar. A Força Nacional de Segurança chegou ontem à noite a Rondônia trazendo  35 homens que foram imediatamente para o canteiro de obras da Jirau.
.
35 homens da Força nacional chegam a Rondônia
 
Depois de ouvir a Camargo Corrêa e avaliar as informações do Ministério das Minas e Energia e dos relatórios da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), o Planalto decidiu mobilizar um contingente da Força Nacional e da Policia Federal para assumir o controle dos canteiros da construtora na usina hidrelétrica de Jirau, em Rondônia. A presidente da República, Dilma Rousseff, acompanha a situação e pediu que a retirada e acomodação dos trabalhadores fossem feitas com segurança.

 

 

 

                                   

 

 

O que motivou os protestos dos trabalhadores da usina Jirau?

 

 

 

 

 

Confira Nota do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) sobre a revolta dos operários na Usina Hidrelétrica de Jirau, em Rondônia, e veja o que motivou esses trabalhadores.

Nesta semana acompanhamos a revolta dos operários na Usina Hidrelétrica de Jirau contra as empresas que controlam a barragem. Existem informações de que os mais de 15 mil operários da obra estão em situação de superexploração, com salários extremamente baixos, longas jornadas e péssimas condições de trabalho, que existe epidemia de doenças dentro da usina e não existe atendimento adequado de saúde, que o transporte dos operários é de péssima qualidade, sofrem com a falta de segurança e que mais de 4.500 operários estão ameaçados de demissão. Esta é a realidade da vida dos operários.
   
Esta situação tem como principal responsável os donos da usina de Jirau, o Consórcio formado pela transnacional francesa Suez, pela Camargo Corrêa e pela Eletrosul. As revoltas dos operários dentro das usinas tem sido cada vez mais frequentes e isso é fruto da brutal exploração que estas empresas transnacionais impõem sobre seus trabalhadores.
Há pouco tempo houve revolta na usina de Foz do Chapecó, também de propriedade da Camargo Corrêa, em 2010 houve a revolta dos operários da usina de Santo Antonio e agora temos acompanhado a revolta dos operários da usina de Jirau.

As empresas construtoras de Jirau são as mesmas que foram denunciadas em recente relatório de violação de Direitos Humanos, aprovado pelo Governo Federal, que constatou que existe um padrão de violação dos direitos humanos em barragens e de criminalização, sendo que 16 direitos têm sido sistematicamente violados na construção de barragens. Os atingidos por barragens e os operários tem sido as principais vítimas.


A empresa Suez, principal acionista de Jirau, é dona da Barragem de Cana Brava, em Goiás, e Camargo Corrêa é dona da usina de Foz do Chapecó, em Santa Catarina. Essas duas hidrelétricas também foram investigadas pela Comissão Especial de Direitos Humanos em que foi comprovada a violação. Estas empresas tem uma das piores práticas de tratamento com os atingidos e com seus operários.

Em junho de 2010, o MAB já havia alertado a sociedade que em Jirau havia indícios e denúncias, que circularam na imprensa local, de que as empresas donas da Usina de Jirau haviam contratado ex-coronéis do exército para fazer uma espécie de trabalho para os donos da usina de Jirau e não seria surpresa se estes indivíduos contratados pelas empresas promovessem ataques ou sabotagens contra os operários e atingidos, para jogar uns contra os outros e/ou criminalizar nossas organizações e sindicatos.

A revolta dos operários é reflexo desse autoritarismo e da ganância pela acumulação de riqueza através da exploração da natureza e dos trabalhadores. Prova desse autoritarismo e intransigência é que estas empresas se  negam a dialogar com os atingidos pela usina e centenas de famílias terão seus direitos negados. As consequências vão muito além disso, pois nesta região se instalou os maiores índices de prostituição e violência.

Em 2011, O MAB completa 20 anos de luta e os atingidos comemoram a resistência nacional, mas também denunciam que estas empresas não tem compromisso com a população atingida e nem com seus operários. Recebem altas taxas de lucro que levam para seus países e o povo da região fica com os problemas sociais e ambientais.


O MAB vem a público exigir o fim da violação dos direitos humanos em barragens e esperamos que as reivindicações por melhores condições de trabalho e vida dos operários sejam atendidas.

Água e energia não são mercadorias!
Coordenação Nacional
 
 
 
 
A direção do consórcio da usina, o grupo Energia Sustentável do Brasil (ESBR), e o ministério decidiram que a primeira providência, depois do controle na área de segurança, é começar a reerguer os refeitórios e os alojamentos, o que viabilizaria o retorno paulatino dos trabalhadores aos canteiros. Hoje, o governo estadual e a empresa devem divulgar medidas para provar que têm o controle da área, tanto assim reverter os pedidos de demissão que muitos trabalhadores estão fazendo. Fotos: Rondoniaovivo

Conflito paralisa obras da usina hidrelétrica Jirau

 

O confronto entre trabalhadores na usina do Jirau, no Rio Madeira, em Rondônia, aumenta o risco de atraso na entrega da hidrelétrica, cujo início das operações estava previsto para março de 2012. O presidente do consórcio ESBR, vencedor da licitação, Victor Paranhos, disse que as obras estão totalmente paradas. Ontem, novo confronto na usina levou ao incêndio de alojamentos e escritórios que ainda não tinham sido destruídos pelos distúrbios ocorridos na quarta-feira, com queima e destruição de diversos ônibus que fazem o transporte dos trabalhadores e alojamentos. "Não sabemos por quanto tempo vai parar (a obra), mas temos que voltar ao controle do canteiro de obras. O episódio pode provocar reavaliação (de prazos)", disse Paranhos. (Valor Econômico – 18.03.2011)

Os conflitos que paralisaram as obras da usina hidrelétrica de Jirau, em Rondônia, devem comprometer o cronograma de conclusão do empreendimento.   
A direção da Energia Sustentável do Brasil, consórcio construtor da usina, iniciou nesta sexta-feira, 18,  a pericia no local para poder avaliar os prejuízos provocados por uma série de saques e incêndios que destruíram mais de 45 de ônibus usados no transporte de trabalhadores e parte da estrutura de alojamentos do canteiro de obras da hidrelétrica, no Rio Madeira.
A paralisação das obras atrasarão a conclusão da Usina que está em fase  de desvio do Rio Madeira, com 95% do vertedouro pronto. A previsão de início de operação da usina seria para março do ano que vem poderá ser revista. 
Em meados de junho do ano passado, trabalhadores da usina de Santo Antônio, que junto com a usina de Jirau formam o complexo do Rio Madeira, decidiram cruzar os braços para reivindicar reajuste salarial e pagamento de horas extras. Na atual paralisação os motivos desse distúrbio ainda é uma incógnita  
--------------------------------------------------------

Clima ainda é tenso em Jirau. Veja imagens da destruição

O governador Confúcio Moura, considerado fraco, vacilante e sem iniciativa, tentou tirar proveito do episódio e postou em seu blog que a polícia agiu com rigor, mas foi desmentido.

 

Da reportagem do TUDORONDONIA

 

Porto Velho, Rondônia - Diferente do que informa a empresa Camargo Corrêa, o clima ainda é tenso no canteiro de obras da Usina Hidrelétrica de Jirau, no rio Madeira, a 100 Km de Porto Velho. Na manhã desta quinta-feira, centenas de funcionários se aglomeravam na entrada da usina, enquanto no canteiro permaneciam apenas os que estão alojados. Surgiu a informação de que novos protestos poderiam ocorrer.

Na terça-feira, cerca de trezentos trabalhadores atearam fogo em 45 ônibus e queimaram também várias instalações da usina. O estopim do protesto foi a troca de agressões entre um operário e um motorista de ônibus, mas o clima de insatisfação dos trabalhadores é antigo. A empresa é acusada de cortar horas extras e não dar condições decentes de trabalho.

Cerca de  trinta pessoas foram ouvidas pela polícia no inquérito que investiga o quebra-quebra em Jirau. Pelo menos 18 mil pessoas trabalham em Jirau atualmente. Há notícias de que, durante o tumulto, houve roubos de pertences pessoais nos alojamentos.

PROVEITO POLÍTICO

O governador Confúcio Moura (PMDB), considerado fraco, vacilante  e sem iniciativa,  tentou tirar proveito do episódio, querendo mostrar firmeza,  e postou em seu blog que a polícia agiu com rigor para conter os protestos, o que é desmentido por pessoas que testemunharam o caso e relataram que a PM chegou ao canteiro horas depois e evitou entrar ,temendo os manifestantes. As imagens do conflito também desmentem o governador. Mostram um teatro de guerra, como dezenas de veículos e instalações incinerados.

O secretário de Segurança Pública de Rondônia, Marcelo Bessa, segundo o site G1, falou em apelar para a Força Nacional de Segurança.

Fotos: Mique Pinto / Rondoniaovivo

.

.

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.

Compartir este post

Comentar este post