Overblog
Seguir este blog
Edit post Administration Create my blog
El polvorín

La Misión de los hermanos Villas Bôas con nativos y la primera gran reserva amazónica

27 Febrero 2011 , Escrito por El polvorín Etiquetado en #Politica

In 1961 the Villas Bôas brothers succeeded in getting the entire upper Xingu legally protected – the first huge indigenous area in all South America, and the prototype for dozens of similar reserves all over the continent.

HISTORIA DOS ÍNDIOS
Xingu – Um paraíso sob ameaça
Na década de 1940, os irmãos Villas Bôas se disfarçaram de sertanejos e viajaram ao Mato Grosso para estudar a população indígena local. Anos mais tarde, eles tiveram a iniciativa de fundar o Parque Indígena do Xingu, ajudaram a preservar parte das etnias e, por isso, foram indicados duas vezes ao Prêmio Nobel da Paz. Hoje, apesar de o Xingu continuar sendo um oásis quase intocado, a região tem si.

Los hermanos Villas Bôas establecieron contacto con 18 tribus indígenas amazónicas que hasta 1943 apenas habían visto gente del mundo exterior. Los hermanos Villas Bôas quedaron fascinados, pero también se dieron cuenta de que los indios eran muy vulnerables; con la invasión de sus tierras por el hombre blanco, seguramente desaparecerían, diezmados por las enfermedades y la destrucción de su cultura.

 

Orlando_Leonardo_e_Cl%C3%A1udio.jpg

 

El legado de los hermanos Villas Bôas: reconocer en los nativos amazónicos acervos culturales valiosísimos.

 

La única solución, pensaron los hermanos, era presionar al Gobierno de Brasil para que creara una gran reserva en los bosques amazónicos, aislada del resto del mundo, donde los indefensos indígenas podrían ser trasladados.

Lanzaron una campaña en todo el país que condujo a la creación del Parque Nacional Xingu en 1961

 

http://en.wikipedia.org/wiki/Villas-B%C3%B4as_brothers

Villas Boas

De Wikipedia, la enciclopedia libre
 
  • Orlando Villas Bôas nació en 1914 en Santa Cruz do Rio Pardo (Brasil) y falleció en 2002 en Sao Paulo;
  • Leonardo Villas Bôas nació en 1918 en Botucatu (Brasil) y falleció en 1961 en Sao Paulo.

Los hermanos establecieron contacto con 18 tribus indígenas que hasta 1943 apenas habían visto gente del mundo exterior. Quedaron fascinados, pero también se dieron cuenta de que los indios eran muy vulnerables; con la invasión de sus tierras por el hombre blanco, seguramente desaparecerían, diezmados por las enfermedades y la destrucción de su cultura.

La única solución, pensaron los hermanos, era presionar al Gobierno de Brasil para que creara una gran reserva en los bosques amazónicos, aislada del resto del mundo, donde los indefensos indígenas podrían ser trasladados. Lanzaron una campaña en todo el país que condujo a la creación del Parque Nacional Xingu en 1961, una reserva de 25.000 kilómetros cuadrados situada en el Estado de Mato Grosso. Trasladaron a varios grupos indígenas a este territorio relativamente seguro.

Obras principales

VILLAS BÔAS, Orlando. Interview. In: Amazind bulletin 1. Geneva, Switzerland, aut. 1973, p. 25-29. ______. “Os índios na estrada”. In: Cadernos da Comissão Pró-Índio: a questão da emancipação. São Paulo, n.1, 1979, p. 87-88. ______. “O índio – ontem, hoje… e amanhã?”. In: Tassara, Eda; Bisilliat, Maureen. O índio: ontem, hoje, amanhã. São Paulo: Memorial da América Latina/EDUSP, 1991, pp. 48-56. ______. A arte dos pajés: impressões sobre o universo espiritual do índio xinguano. São Paulo: Editora Globo, 2000. ______. Senhor. In: JACCHIERI, Carlos. Carta Brasil 2000: 1º Fórum Nacional da Identidade Brasileira. São Paulo: Imprensa Oficial, 2000a, p. 15-20. ______. Entrevista. In: CARUSO, Mariléia M. Leal; CARUSO, Raimundo C. Amazônia, a valsa da galáxia: o abc da grande planície. Florianópolis: Editora da UFSC, 2000b, p. 25-44. ______. Um povo na ignorância de seu passado. In: Aguiar, L. A.; SOBRAL, M. (Orgs.) Para entender o Brasil. São Paulo: Alegro, 2001, p. 265-271. ______.“Discurso proferido na Universidade Federal de Minas Gerais, em 21 de dezembro de 1972”. In: MÜLLER, Cristina; LIMA, Luiz Octávio; RABINOVICI, Moisés (Orgs.). O Xingu dos Villas Bôas. São Paulo: Metalivros, 2002, p.28-29. ______. Rompendo fronteiras. In: MÜLLER, Cristina; LIMA, Luiz Octávio; RABINOVICI, Moisés (Orgs.). O Xingu dos Villas Bôas. São Paulo: Metalivros, 2002a, p. 146-164. ______. Discurso proferido em 1974, na Universidade Federal do Mato Grosso. In: FIGUEIREDO, C. 100 discursos históricos brasileiros. Belo Horizonte: Editora Leitura, 2003. p. 413-420. ______. História e causos. São Paulo: FTD, 2005. ______. Trinta e cinco anos de assistência e pesquisa: a Escola Paulista de Medicina e o Parque Indígena do Xingu. In: BARUZZI, R. G.; JUNQUEIRA, C. (Orgs.). Parque Indígena do Xingu: saúde, cultura e história. São Paulo: Terra Virgem, 2005a, p. 49-57. ______.; VILLAS BÔAS, Cláudio. Saving Brazil’s stone age tribes from extinction. In: National Geographic Magazine. Vol. 134. n.o. 3. set. 1968, p. 424-444. ______. Xingu: Os índios, seus mitos. Rio de Janeiro: Zahar, 1970. ______. Xingu: the Indians, their myths. New York: Farrar, Straus and Giroux, 1973. ______. “Os Juruna no Alto-Xingu”. In: Reflexão. Instituto de Ciências Humanas e Letras da Universidade Federal de Goiás, 1970a. p. 61-87. ______. Território Tribal. In: BISILLIAT, Maureen; VILLAS BÔAS, Orlando; VILLAS BÔAS, Cláudio. Xingu: território tribal. Sao Paulo: Cultura Editores Associados, 1990, p. 13-33. ______. Memórias de Orlando e Cláudio Villas Bôas. In: RIBEIRO, Darcy. Carta: falas, reflexões, memórias – informe de distribuição restrita do Senador Darcy Ribeiro. Brasília: Gabinete do Senador Darcy Ribeiro, 1993, vol. 9., p. 187-203. ______. A marcha para o oeste: a epopéia da Expedição Roncador-Xingu. São Paulo: Editora Globo, 1994. ______. Almanaque do sertão: histórias de visitantes, sertanejos e índios. São Paulo: Editora Globo, 1997. ______.; VILLAS BÔAS, Cláudio; VILLAS BÔAS, Álvaro. “Antigamente o índio nos comía. Agora somos nós que estamos comendo o índio”. In: Revista de Cultura Vozes – Política Indigenista no Brasil. Petrópolis: Vozes: 1976. n. 3, ano 70, p. 209-219.

Bibliografía en castellano

VILLAS BÔAS, Orlando; VILLAS BÔAS, Cláudio. Xingu: pueblos indios en sus mitos. Quito: Abya-yala, 2000.

Bibliografía

  • DAVIS, Shelton. Victims of the miracle: development and the indians of Brazil. Cambridge: Cambridge University Press, 1977.
  • COWELL, adrian. The decade of destruction. London: Headway, 1990.
  • COWELL, adrian. The tribe that hides from man. London: Pimlinco, 1995.
  • COWELL, adrian. The heart of the forest. London: Headway, 1970.
  • HEMMING, John. Die if you must. London: Macmillan, 2003.
  • HEMMING, John; HUXLEY, Francis; FUERST, René; BROOKS, Edwin. Tribes of the Amazon Basin in Brazil 1972. London: Charles Knight & CO. Ltd. 1973.
  • LEOPOLD III de Belgique. La fête indienne: souvenirs d’un voyage chez les Indiens du Haut-Xingu. Paris: Librairie Hachette, 1967.
  • MENGET, Patrick. Les Indiens du Haut Xingu. In: Hutter, M. Regards sur les Indiens d’Amazonie. Paris: Editions Muséum National d’Histoire Naturelle – Musée de l’Homme, 2000.
  • MENGET, Patrick. Au nom des autres: classification des relations socieles chez les Txicao du Haut-Xingu (Brésil). École Pratique des HAutes Études, Sixième Section, 1977.
  • VILLAS BÔAS FILHO, Orlando. Orlando Villas Bôas: expedições, reflexões e registros. São Paulo: Metalivros, 2006.
  • VILLAS BÔAS FILHO, Orlando. Da práxis à teoría: breves considerações sobre o pensamento dos irmãos Villas Bôas. In: In: MÜLLER, Cristina; LIMA, Luiz Octávio; RABINOVICI, Moisés (Orgs.). O Xingu dos Villas Bôas. São Paulo: Metalivros, 2002, p. 193-205.
  • VILLAS BÔAS FILHO, Orlando. Os direitos indígenas no Brasil contemporâneo. In: BITTAR, Eduardo C. B. História do direito brasileiro: leituras da ordem jurídica nacional. São Paulo: Editora Atlas, 2003, p 279-293.
  • VILLAS BÔAS FILHO, Orlando.Como tudo começou. In: National Geographic Magazine. Ano 4, nº 40, Ago. 2003a, p. 54-61.

Orlando_Villas_Boas_e_um_%C3%ADndio_Txic

Orlando Villas Boas e um índio Txicão. O sertanista Orlando Villas Boas posa para uma foto ao lado de um índio Txicão.

(Orlando Villas Bôas e um índio Txikao (Ikpeng) 1967 (segundo contato) foto: J.P. arquivo da família Villas Bôas)

 

 

 

 

Alto_orinoco5.jpg

 Crianças yanomami habitantes do alto rio Orinoco, entre o estado brasileiro do Amazonas e a Venezuela. No Brasil os Yanomami somam 15 mil pessoas distribuídas em 255 aldeias relacionadas entre si em maior ou menor grau. Etnologia é a área da Antropologia em que são realizados os estudos sobre as questões étnicas.   pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Orlando_Villas…

kaiabi_6.jpg

 

Kayabi Indians 1967pib.socioambiental.org/en/povo/kaiabi/282

Photo: Jesco – Orlando Villas Boas Archive, 1967

 

Any research on the Kayabi group must start with the writings of Georg Grünberg, primarily his doctoral thesis entitled Beitrage zur Ethnographie der Kayabi Zentralbrasiliens (there is a Portuguese translation by Eugênio Wenzel). This comprises a general ethnography on the group, based on research conducted in the 1960s. It begins with an extensive and valuable survey of the historical sources mentioning the Kayabi, followed by sections on the group’s material culture, social organization and finally cosmology and mythology, adopting a classical ethnographic model. Also of value is the article “Die Materielle Kultur der Kayabi-Indianer,” where Grünberg provides a detailed description of Kayabi material culture. pib.socioambiental.org/en/povo/kaiabi/282

 

———————————————-

 

Villas-Bôas brothers

Orlando (1914–2002) and his brothers Cláudio (1916–1998) and Leonardo Villas-Bôas (1918–1961) were Brazilian activists regarding indigenous peoples.

 

 

350px-Orlando_Leonardo_e_Cl%C3%A1udio.jp

The Villas-Bôas brothers

Achievements

In 1961 they succeeded in getting the entire upper Xingu legally protected – the first huge indigenous area in all South America, and the prototype for dozens of similar reserves all over the continent. Two of the Villas-Bôas brothers, Orlando and Cláudio, were jointly awarded the Royal Geographical Society’s gold medal, as much for their geographical explorations as for their humanitarian work. They also received the GEO prize, delivered by the president of Germany, Richard von Weizsäcker, and the Chancellor of West Germany Willy Brandt, in 1984, as a recognition for their humanitarian work.

Pioneers

The British historian, John Hemming, wrote that the Villas-Bôas were pioneers in many ways. They were almost the first non-missionaries to live permanently with the Indians; and they treated them as their equals and friends. They persuaded tribes to end internecine feuds and unite to confront the encroaching settlement frontier. They were the first to empower indigenous people to run their own affairs. The Villas-Bôas were the first to appreciate the value of politics and the media in furthering the indigenous cause. They also devised a policy of “change, but only at the speed the Indians want”.

Robin Hanbury-Tenison, from Survival International, wrote that “The Xingu is the only closed park in Brazil, which means that it is the only area in which Indians are safe from deliberate or accidental contact with undesirable representantives of Western civilization. This is due entirely to the Villas-Bôas brothers and the total dedication of their lives to this work over the last 25 years.” [1] (Since 1971, when this was written, more indigenous parks and reserves have been created, such as the Tumucumaque Indigenous National Park in northern Pará state, but the Xingu park remains the most important of them.)

The anthropologist Shelton Davis wrote that “The Villas-Bôas brothers further argued that it was the responsibility of the federal government to provide a secure protective buffer, in the form of closed Indian parks and reserves, between Indians and the frontiers of national society. In time, the three brothers believed, Indians would integrate into Brazilian national society. This process of integration, however, should be a gradual one and should guarantee the Indians’s survival, ethnic identities and ways of life.” [2]

In the foreword of the book Xingu: the Indians, Their Myths the anthropologist Kenneth S. Brecher wrote that

It is now almost 30 years since the Villas-Bôas brothers (…) led the expedition known as ‘Brazil’s march to the West’ which was intended to open up the heart of the interior for colonization. They were overwhelmed by the beauty and cultural richness of the network of Xingu tribes which they discovered, and when the expedition disbanded they remained in the jungle to protect the Xinguanos from the land speculators, state senators, diamond prospectors, skin hunters, and rubber gatherers who had followed in their wake. (…) That the Xingu tribes continue to exist, in fact to thrive, is due largely to the extreme dedication, intelligence, cunning, and physical strength of these brothers.[3]

Personal lives and deaths

Of the 11 siblings, only the three brothers banded together in their pioneering work.

Orlando died in 2002. When a major chief dies, the Xingu Indians hold a great funerary festival (the Kuarup) in his honour. They did this for Orlando even though he was white. He had two sons, Noel and Orlando.

Claudio was born on December 8, 1916 in Botucatu, São Paulo [4] and died of a stroke in his São Paulo apartment on March 1, 1998. Indians called him “The Father” and by 1994 there were 6000 Indians in 18 settlements from different tribes.

Leonardo died in 1961 at age 43[4].

References

  1. ^ Robin Hanbury-Tenison. Report of a visit to the Indians of Brazil on behalf of the Primitive People Fund/Survival International. London: Quintrell & Co. Ltd., Printers, Wadebridge, 1971, p. 9.
  2. ^ Shelton Davis, Victims of the miracle: development and the Indians of Brazil. Cambridge University Press, UK, 1977, p. 50.
  3. ^ Kenneth S. Brecher. Foreword in Villas-Bôas, Orlando; Villas-Bôas, Cláudio. Xingu: the Indians, Their Myths, Farrar, Straus and Giroux, New York, 1973.
  4. ^ a b http://www.phfawcettsweb.org/claudio.htm

For more information, see:

For information about the Villas-Bôas Indian policy, see:

  • Davis, Shelton. Victims of the Miracle: development and the Indians of Brazil. New York: Cambridge University Press, 1977 ISBN 978-0521292467
  • Vilas-Boas Filho, Orlando. Orlando Villas-Bôas: expedições, reflexões e registros. São Paulo: Metalivros, 2006
  • Cowell, Adrian. The decade of destruction London: Headway, 1990. ISBN 978-0340537909
  • Cowell, Adrian. The tribe that hides from man London: Pimlinco, 1995. ISBN 978-0712659598
  • Cowell, Adrian, The heart of the forest London: Headway, 1970. ASIN B0000CKKX0 OCLC 1724547
  • Hemming, John; Huxley, Francis; Feuerst, René; Brooks, Edwin, Tribes of the Amazon Basin in Brazil 1972, Charles Knight & Co. Ltd, London, 1973.
  • Leopold of Belgium, Indian Enchantment Nancy: Librarie Hachette, 1967. ISBN 091459401X
  • Menget, Patrick, Au nom des autres: classification des relations sociales chez les Txicao du Haut-Xingu (Brésil), École Pratique des Hautes Études, Sixième Section, 1977.

Select Bibliography

  • Villas-Bôas, Orlando. Interview. In: Amazind bulletin 1. Geneva, Switzerland, aut. 1973, p. 25-29.
  • Villas-Bôas, Orlando: Os índios na estrada. In: Cadernos da Comissão Pró-Índio: a questão da emancipação. São Paulo, n.1, 1979, p. 87-88.
  • Villas-Bôas, Orlando: O índio – ontem, hoje… e amanhã? In: Tassara, Eda; Bisilliat, Maureen: O índio: ontem, hoje, amanhã. São Paulo: Memorial da América Latina/EDUSP, 1991, pp. 48–56.
  • Villas-Bôas, Orlando: A arte dos pajés: impressões sobre o universo espiritual do índio xinguano. São Paulo: Editora Globo, 2000.
  • Villas-Bôas, Orlando: Senhor. In: Carlos Jacchieri: Carta Brasil 2000 1°Fórum Nacional da Identidade Brasileira. São Paulo: Imprensa Oficial, 2000a, p. 15-20.
  • Villas-Bôas, Orlando: Entrevista. In: Mariléia M. Leal Caruso; Raimundo Caruso: Amazônia, a valsa da galáxia: o abc da grande planície. Florianópolis: Editora da UFSC, 2000b, p. 25-44.
  • Villas-Bôas, Orlando: Um povo na ignorância de seu passado. In: Aguiar, L. A.; SOBRAL, M. (Orgs.) Para entender o Brasil. São Paulo: Alegro, 2001, p. 265-271.
  • Villas-Bôas, Orlando: Discurso proferido na Universidade Federal de Minas Gerais, em 21 de dezembro de 1972.. In: Cristina Müller; Luiz Octávio Lima; Moisés Rabinovici (Orgs.): O Xingu dos Villas-Bôas. São Paulo: Metalivros, 2002, p. 28-29.
  • Villas-Bôas, Orlando: Rompendo fronteiras. In: Cristina Müller; Luiz Octávio Lima; Moisés Rabinovici (Orgs.): O Xingu dos Villas-Bôas. São Paulo: Metalivros, 2002a, p. 146-164.
  • Villas-Bôas, Orlando: Discurso proferido em 1974, na Universidade Federal do Mato Grosso. In: C. Figueiredo: 100 discursos históricos brasileiros. Belo Horizonte: Editora Leitura, 2003. p. 413-420.
  • Villas-Bôas, Orlando: História e causos. São Paulo: FTD, 2005.
  • Villas-Bôas, Orlando: Trinta e cinco anos de assistência e pesquisa: a Escola Paulista de Medicina e o Parque Indígena do Xingu. In: Roberto Geraldo Baruzzi; Carmen Junqueira (Orgs.). Parque Indígena do Xingu: saúde, cultura e história. São Paulo: Terra Virgem, 2005a, p. 49-57.
  • Villas-Bôas, Cláudio. Saving Brazil’s stone age tribes from extinction. In: National Geographic Magazine. Vol. 134. n.o. 3. set. 1968, p. 424-444.
  • Villas-Bôas, Cláudio; Villas Bôas, Orlando. “Xingu: Os índios, seus mitos” Rio de Janeiro: Zahar, 1970.
  • Villas-Bôas, Cláudio; Villas-Bôas, Orlando. “Xingu: the Indians, their myths” New York: Farrar, Straus and Giroux, 1973. ISBN 978-0285647480
  • Villas-Bôas, Orlando: Os Juruna no Alto-Xingu”. In: Reflexão. Instituto de Ciências Humanas e Letras da Universidade Federal de Goiás, 1970a. p. 61-87.
  • Villas-Bôas, Orlando: Território Tribal. In: Maureen Bisilliat; Orlando Villas Bôas und Claudio Villas Bôas: Xingu: território tribal. São Paulo: Cultura Editores Associados, 1990, p. 13-33.
  • Villas-Bôas, Orlando: Memórias de Orlando e Cláudio Villas Bôas. In: Darcy Ribeiro. Carta: falas, reflexões, memórias – informe de distribuição restrita do Senador Darcy Ribeiro. Brasília: Gabinete do Senador Darcy Ribeiro, 1993, vol. 9., p. 187-203.
  • Villas-Bôas, Orlando: A marcha para o oeste: a epopéia da Expedição Roncador-Xingu. São Paulo: Editora Globo, 1994.
  • Villas-Bôas, Orlando: Almanaque do sertão: histórias de visitantes, sertanejos e índios. São Paulo: Editora Globo, 1997.
  • Villas-Bôas, Orlando, Claudio Villas-Bôas, *Alvaro Villas-Bôas: Antigamente o índio nos comia. Agora somos nós que estamos comendo o índio.. In: Revista de Cultura Vozes – Política Indigenista no Brasil. Petrópolis: Vozes: 1976. n. 3, ano 70, p. 209-219.

 

Papai_e_Tio_Claudio.jpg

  Orlando und Cláudio Villas

 

 

http://blogs.estadao.com.br/luiz-zanin/files/2006/11/orlando.JPG

Ainda não li o livro Orlando Villas Bôas – Expedições, Reflexões e Registros. Não li e já gostei, porque não tem como ser ruim. O grande sertanista foi um dos maiores contadores de histórias que já conheci e um livro que relata suas experiências só pode ser muito saboroso.

Uma vez, muitos anos atrás, fui entrevistá-lo para o jornal. Coisa pouca, imaginei, meia hora de papo dava e sobrava para o espaço a mim destinado. Fiquei em sua casa a tarde inteira. Ele falando, eu ouvindo, fascinado. Pelo relato de Orlando, o universo indígena passava a ter vida própria, como se ele estivesse contando tudo aquilo em volta de uma fogueira, em pleno Xingu.

Enquanto falava, Orlando ilustrava as histórias mostrando objetos indígenas de sua coleção. Pegou uma panela de barro, enorme, decorada com o maior capricho em sua parte de baixo. Desenhos lindos que, adivinhava-se, eram muito difíceis de fazer e deviam ter levado um tempão para serem pintados. Orlando olhou para a panela, olhou para mim e disse: “O universo do índio é diferente”. Indaguei por quê.

Ele então me contou que os índios levavam semanas preparando essas panelas pintadas. Quando estavam prontas, eles as levavam ao fogo para cozinhar os alimentos e os desenhos logo ficavam arruinados. Orlando perguntou a um índio velho por que então tinham tanto trabalho para decorar as panelas se na primeira vez em que eram usadas as pinturas se perdiam. O índio olhou para ele com infinita piedade diante de tanta ignorância e disse:
– Se não pintar, não é panela, ué.

O livro Orlando Villas Bôas – Expedições, Reflexões e Registros será lançado no dia 26, quinta-feira, a partir das 19h, no Memorial da América Latina

 

 

orlandovillasboas.jpg

 

8

livro Orlando Villas Bôas – Expedições, Reflexões e Registros

 

Orlando+and+Kid.jpg

história dos índios

 


Arquivo Família Villas Bôas
 
Cláudio e Orlando Villas Bôas com um índio do alto Xingu, na década de 1960
 
 

                                                                            Arquivo Família Villas Bôas

 
Orlando Villas Bôas com três índios Caiapó, em 1956. À direita de Orlando está Raoni Metuktire, líder dos caiapós, conhecido internacionalmente por sua luta em defesa da floresta amazônica e dos povos indígenas

 

A criação do primeiro parque indígena brasileiro, o Parque Indígena do Xingu, em 1961, no Mato Grosso, foi possível graças à mobilização iniciada praticamente duas décadas antes pelos irmãos Leonardo, Cláudio e Orlando Villas Bôas. Anônimos e disfarçados de sertanejos, esses paulistas de classe média se enveredaram na expedição Roncador-Xingu, organizada em 1943 pelo governo de Getúlio Vargas. A campanha também ficou conhecida como “Marcha para o Oeste” e tinha como objetivo a ocupação do interior do Brasil.

Em um primeiro momento, os três irmãos candidataram-se para participar da missão, mas foram impedidos pelos organizadores, pois se tratavam nitidamente de pesquisadores e não de homens que queriam tentar uma vida nova em terras desocupadas. Por isso, os Villas Bôas deixaram as barbas cresceram, vestiram-se com roupas simples e fingiram ser analfabetos para conseguirem autorização para viajar com a expedição. Foi assim que começou a missão de Leonardo, Cláudio e Orlando que, mais tarde, com a participação do antropólogo Darcy Ribeiro (1922-1997), resultou na demarcação do parque indígena.

 

 

Uma vida dedicada aos índios
Os irmãos Villas Bôas, indicados duas vezes ao Prêmio Nobel da Paz, receberam elogios e críticas negativas pela atuação no Xingu. Marina e Noel, viúva e filho de Orlando, falam sobre as anotações deixadas pelo sertanista e o projeto de criar o Instituto Orlando Villas BôasOrlando (1916-2002) e Cláudio Villas Bôas (1918-1998) estiveram à frente da direção do Parque Indígena do Xingu até 1975. Apesar de os irmãos terem sido reconhecidos mundialmente pelo seu trabalho, que os levou a serem indicados por duas vezes ao Prêmio Nobel da Paz, eles também receberam muitas críticas. Ao mesmo tempo em que os Villas Bôas foram elogiados pela preservação dos povos indígenas e pela iniciativa de organizar um programa de saúde pública, como vacinações e assistência médica para os índios, que morriam de gripe, disenterias e surtos de sarampo na década de 1950, devido ao contato com os brancos, os irmãos foram duramente criticados por terem fornecido ferramentas e bens materiais aos índios e interferirem no poder interno das aldeias. Segundo a Funai (Fundação Nacional do Índio, instituída em 1967, em substituição ao Serviço de Proteção ao Índio – SPI), isso teria contribuído para diminuir a produção artesanal tradicional e a degradação da cultura indígena.

 

Arquivo Família Villas Bôas

A vida dos Villas Bôas era tão atrelada ao Xingu que, nos anos 1960, quando Orlando conheceu sua mulher, a enfermeira Marina Lopes de Lima Villas Bôas, atualmente com 71 anos, logo a levou para trabalhar no parque ao seu lado. Em 1963, Marina seguiu para o Xingu e foi a primeira enfermeira a atuar na saúde local. “O Xingu foi a extensão da minha casa. A sociedade e o governo precisam avaliar o quanto os índios têm a nos ensinar, quanto à estrutura social e visão de mundo”, diz ela.

Noel Villas Boas, de 33 anos, filho de Orlando, conta que o pai guardava seis cadernos de diários (preservados postumamente), que começou a escrever em 1943, ano da primeira expedição ao Xingu. Parte dessas anotações virou livros, inclusive o póstumo Orlando Villas Bôasexpedições, reflexões e registros, organizado por Orlando Villas Bôas Filho, em 2006. 

No acervo preservado pela família são mantidas relíquias, como correspondências entre o sertanista e o marechal Rondon, os antropólogos Darcy Ribeiro e Claude Lévi-Strauss, e centenas de fotos e registros. “Estamos no processo de criação do Instituto Orlando Villas Bôas, para tornar esse material disponível ao público. Sobre a expedição Roncador-Xingu praticamente não há material similar no Brasil, é um hiato de 20 anos na história brasileira”, afirma Noel, que visita anualmente o Parque Indígena do Xingu.

 

Arquivo Família Villas Bôas
Os três irmãos Villas Bôas reunidos em foto da década de 1950. da esquerda para a direita: Leonardo, Orlando e Cláudio

A chegada dos homens brancos

Antes de os irmãos Villas Bôas se aventurarem no interior do País com a expedição da década de 1940, a região do Xingu já havia sofrido intervenções de homens brancos. Um dos primeiros a pisar naquelas terras foi o desenhista e explorador alemão Karl von den Steinen (1855-1929) que, em 1884, acompanhado do geógrafo Otto Claus, partiu de Cuiabá e desceu o rio Xingu, estudou os índios e classificou os Bakairi como originários dos Caraíbas e não dos Tupi-Guaranis, como se acreditava no século XIX.

A expedição Roncador-Xingu, de 1944, serviu como divisor de águas para a adoção de uma política indigenista

De acordo com Orlando Villas Bôas, no livro Orlando Villas Bôas: expedições, reflexões e registros, os povos contatados na época da viagem de Steinen foram os Bakairi, Juruna, Suyá, Waurá e Trumai. Já em 1887, Steinen foi à região acompanhado pelo antropólogo Paul Ehrenreich (1855-1914) e o geógrafo Peter Vogel. Dessa vez, os europeus aproximaram-se dos índios Aweti, Kalapalo, Kamayurá, Mehináku e Yawalapiti.

Arquivo Família Villas Bôas
Rei Leopoldo iii (1901- 1983), da Bélgica, joga xadrez com Cláudio Villas Bôas no Baixo Xingu, em 1967. O rei pretendia passar três dias no parque, mas acabou fi cando quase dois meses

Outras expedições viriam a acontecer somente a partir de 1896, como as organizadas pelos exploradores Hermann Meyer e Henri-Anatole Coudreau (1859-1899), representando o governo do Pará. Em 1920, o general Ramiro Noronha iniciou a exploração do rio Kuluene (afluente do Xingu), após fundar o Posto Indígena Simões Lopes (Bakairi), no rio Paranatinga.

No período entre o final do século XIX e início do século XX, é possível constatar a presença considerável de estrangeiros alemães, franceses, americanos e italianos, sendo que alguns acabaram sendo mortos em confronto com índios. Em 1944, a expedição Roncador-Xingu, da qual participaram os Villas Bôas, tornou-se um divisor de águas para a adoção de uma política indigenista, que surgiria anos mais tarde.

Quando os irmãos Villas Bôas chegaram ao Mato Grosso, os índios que habitavam a região estavam sendo dizimados

Uma visão de dentro
Os índios Awajatu e Winti falam sobre o cotidiano das tribos do Xingu e a luta para preservar as tradições e os idiomas indígenas

 

Sucena Shkrada Resk
Awajatu aweti é cacique e professor bilíngue tupi/português do alto Xingu

Os sertanistas, pesquisadores e antropólogos não são os únicos a se preocupar com o destino dos povos indígenas. A preservação da cultura dos índios é uma luta travada diariamente nas aldeias. O índio Awajatu Aweti, da tribo Aweti (localizada no centro do Alto Xingu, falante da língua tupi) é cacique e professor bilíngue (tupi/português). “Desde 1996, ensinamos nossas crianças no tronco tupi e o português para que saibam entender e lidar com o ‘mundo de fora’. Mas nem por isso deixamos a luta pela preservação de nossa cultura e crença”, diz. Segundo Awajatu, os índios chegaram a fazer uma cartilha tupi, que é direcionada às crianças a partir dos 5 anos de idade.

Os festejos e os cantos indígenas também são mantidos, como a Tawarana (dança do papagaio), além da dança Taquara, que é um meio de celebrar a alegria na aldeia. “Nesses momentos, não são deixados de lado o cocar, a pintura, a utilização de bambu, dentre outros adereços típicos”, diz Awajatu. Ele conta que a cultura branca é presente no Xingu, por meio da TV e uso de roupas. “Para evitar a influência ocidental e da tecnologia, estamos mantendo nossos traços culturais, dialogando em tupi e praticando as nossas danças. A hora de assistir à televisão é controlada. Usamos aparelhos de DVD, por exemplo, mas para mostrar vídeos sobre a nossa tradição. “ 

O cacique afirma que a presença da monocultura da soja e extração de madeira no entorno do Xingu, desde a década de 1980, é um fator que preocupa todos os índios da região. “Se não fosse pela demarcação do Parque Indígena do Xingu, estaríamos enfrentando muito mais dificuldade”, reconhece. “Representantes das 14 etnias que vivem lá dentro promovem reuniões para discutir os problemas, como a proximidade de hidrelétricas, dentre elas a construída no rio Kuluene. Por causa dela, a nossa água está secando aos poucos. Temos medo de que os peixes acabem, pois são nosso alimento”, conta.

Para o cacique, o trabalho dos irmãos Villas Bôas foi importante para a causa indígena. “Mostrou que nós somos seres humanos e não permitiu que os missionários catequizassem o Xingu. Por outro lado, acabou permitindo a introdução de tecnologias e ferramentas que acabaram sendo jogadas nos nossos rios”, afirma.

Winti Suya, da tribo Suya (localizada entre o Baixo e Médio Xingu, pertencente ao tronco linguístico macro-jê), é presidente da Associação Indígena Kisedjê. Ele conta que a preservação do idioma é uma luta constante em sua tribo. “Nossa língua ainda é forte: apenas 20 dos cerca de 480 índios que vivem em nossa aldeia falam português”, diz. Entretanto, de acordo com o índio, outros reflexos dos costumes brancos já foram introduzidos lá, como o uso de roupas.

“Nossa preocupação maior é a respeito do meio ambiente, conscientizar os fazendeiros sobre os problemas da nossa aldeia. A menos de 5 quilômetros de distância já existe cultivo de soja”, relata Winti. Segundo ele, as mudanças na natureza também são reveladas nas espécies de fauna local: “atualmente quase não vemos a queixada ou o porcão do mato, que andava em bando por lá”, diz.

Para defender seus direitos, Winti diz que os índios começaram a recorrer ao apoio de organizações não governamentais, como o Instituto Socioambiental, dentre outras. “A ideia não é só defender os Suya, mas toda a comunidade indígena”, diz.

 

 

A aventura dos três irmãos 

 

A expedição Roncador-Xingu teve início a partir de Uberlândia, em Minas Gerais, e foi instituída pela Fundação Brasil Central (FBC) durante o Estado Novo, que visava consolidar a soberania nacional ao ligar o Brasil Central ao Amazonas. Leonardo, Cláudio e Orlando Villas Bôas embrenharam-se nessa aventura pelas matas para auxiliar na demarcação e formação de núcleos populacionais “brancos” enquanto fingiam-se de sertanejos.

O Parque indígena do Xingu, situado ao nordeste do Mato Grosso, ocupa uma área de mais de 27.000 km2

Na viagem, os irmãos se defrontaram com a realidade de um Brasil “nativo”, que até então era desconhecido para eles. Os Villas Bôas Conheceram primeiramente os índios xavantes e, ao longo dos anos, mais outros 14 povos indígenas que representam uma das mais respeitadas diversidades de troncos linguísticos do mundo, segundo a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco): Aruak ou Arawak, Jê, Karib e Tupi.

Nesse grupo estão os Kamaiurá e Kaiabi (família Tupi-Guarani); Juruna (tronco Tupi); Aweti (tronco Tupi); Mehinako, Wauja e Yawalapiti (família Aruak); Kalapalo, Ikpeng, Kuikuro, Matipu e Nahukwá (família Karib); Suyá (família Jê); Trumai (língua isolada). Segundo o site Povos Indígenas no Brasil, do Instituto Socioambiental (ISA), existem mais de 4 mil índios na região do Xingu (dados de 2002).

Em 1952, Orlando Villas Bôas e Darcy Ribeiro, entre outros, apresentaram um anteprojeto de lei para a criação do Xingu

Quando os irmãos Villas Bôas chegaram ao norte do Estado do Mato Grosso, os índios que habitavam a porção do Brasil Central estavam sendo dizimados por diversas doenças, como gripes, disenterias e surtos epidêmicos, devido à intervenção branca em suas terras desde o século XIX. Ao se defrontarem com essa situação, os Villas Bôas decidiram iniciar uma campanha para a preservação da população, que continuou por décadas, seguindo um modelo protecionista.

Leonardo, Cláudio e Orlando ultrapassaram o objetivo oficial da expedição federal. No livro A Marcha para o Oeste – A epopeia da expedição Roncador-Xingu, de autoria de Orlando e Cláudio Villas Bôas, os irmãos descrevem que o primeiro contato do grupo de sertanistas com índios xavantes aconteceu em 25 de julho de 1945. Segundo eles, o contexto foi pouco amistoso, pois membros da equipe dispararam tiros para o alto, o que causou um “esboço” de reação de ataque dos índios, mas sem vítimas.

Noel Villas Bôas
Ííndios se apresentam em cerimônia Kuarup, um ritual dos grupos indígenas que vivem no Xingu para homenagear os mortos

Quanto mais adentravam pelas matas, novas etnias iam surgindo, começando pelos índios Kalapalo, na região do rio Kuluene, um dos afluentes do Xingu. Em março de 1948, a expedição Roncador-Xingu foi extinta pelo governo Vargas, mas os irmãos Villas Bôas, que a essa altura já haviam sido nomeados representantes do Serviço de Proteção ao Índio (SPI) do Alto Xingu, pelo Marechal Cândido Rondon, iniciaram uma nova empreitada na expedição Xingu-Tapajós, quando fizeram contato com os índios Juruna.

Nessa época, o cientista ucraniano Noel Nutels (1913-1973) juntou-se ao grupo. Ao mesmo tempo, as primeiras ideias de criação do parque começam a ser idealizadas pelos sertanistas com ajuda do brigadeiro Raymundo Vasconcelos Aboim (1898-1990) e do antropólogo Eduardo Galvão.

E tudo isso pode acabar…
Washington Novaes, jornalista e autor dos documentários Xingu – A terra mágica e Xingu – A terra ameaçada, diz que além de o parque sofrer com o avanço de estradas e da agricultura ao seu redor, os costumes dos índios estão se perdendo devido à influência da cultura branca

 

Arquivo Pessoal
Washington novaes prepara-se para gravar o documentário Xingu – A terra ameaçada, em 2007

Em 1984, o jornalista Washington Novaes, supervisor geral do programa Repórter Eco, da TV Cultura de São Paulo, viajou ao Mato Grosso e fez o documentário Xingu – A terra mágica, sobre os índios e a cultura indígena. A experiência, além do vídeo, resultou no livro XinguUma flecha no coração, pela editora Brasiliense.

No texto, Novaes conta que a sua proximidade com as tribos do Xingu começou em 1980, quando foi ao local produzir um programa para o Globo Repórter, da Rede Globo de Televisão. A ideia era mostrar como era o modo de vida no parque indígena, onde não havia registros de doenças cardiovasculares. “Não havia obesidade, alcoolismo, sedentarismo e uso de sal com cloreto de sódio, por isso os índios eram saudáveis. Hoje a realidade é outra”, compara Novaes.

Depois da década de 1980, o jornalista continuou visitando a região e notou a mudança que ocorreu no parque. “Atualmente, o Xingu está cercado de problemas de fora para dentro, como também em seu interior”, destaca. Segundo Novaes, a área foi cercada pelo avanço da agropecuária. “O parque é uma ilha envolta por pastos e cultura de soja, e isso se traduz em muitos problemas, fora o fato de tentativas periódicas de invasões de madeireiros e garimpeiros”, avalia.

Novaes explica que os rios formadores do Xingu nascem fora do parque e levam para dentro os agrotóxicos dessas propriedades do entorno, além do assoreamento, e isso já tem consequências, como aumento de temperatura e prejuízo à principal base de alimentação local, que é o peixe. “Também estão sendo construídas hidrelétricas nos principais rios que correm para dentro da área do Xingu. Segundo especialistas, os peixes não conseguirão subir o rio e em algumas hidrelétricas, como no rio Kuluene, o reservatório vai alagar uma área importante para a cultura local”, explica o jornalista.

Dentro do próprio Xingu, foram abertas estradas para facilitar a circulação entre as aldeias e as cidades próximas ao parque. “Essa situação intensificou o contato com a cultura branca. Há várias consequências, a primeira delas é que os jovens, ao absorverem essa cultura, querem usar roupas, ter DVDs, aparelhos de gravação, dançar forró. E, para isso, é preciso produzir artesanato, como pulseiras, colares e redes, a fim de adquirir dinheiro para esse consumo”, diz Novaes.  

Mais um problema, segundo o jornalista, é que jovens xinguanos não querem cuidar da agricultura e nem se interessam mais pelas tradições. “Em praticamente todas as aldeias não há quem queira ser pajé, pois é um caminho longo e de sacrifícios, conta. O pajé faz o intermédio dos humanos com o mundo dos espíritos. “Se não houver isso, as culturas vão desaparecer. Tudo na vida deles tem essa relação. Cada árvore tem um espírito, as danças e cantos estão neste universo. A cultura está ameaçada por este ângulo, como também a organização social e política”, afirma Novaes.

Para o jornalista, a sociedade branca vê os índios pelo que eles não têm e não consegue reconhecer o valor dessa cultura. “De uma maneira geral, não há delegação de poder. Quem sabe mais e é mais experiente é respeitado. Todos são livres e têm o seu limite na liberdade da outra pessoa. Isso é um privilégio extraordinário”, diz. “Eles sabem fazer sua própria casa, a lavoura, caçar, artesanato, identificar as espécies da natureza. Se o Brasil tivesse lucidez, transformaria o parque em patrimônio histórico, cultural e ambiental da humanidade. Ambientalmente, o Xingu é uma ilha de biodiversidade”, diz Novaes.

Sobre o trabalho dos irmãos Villas Bôas, o jornalista diz: “há muita gente que critica que os Villas Bôas juntaram etnias diferentes, mas na época deles ninguém fez melhor. Muitos índios poderiam ter sido exterminados, como os Panarás, que foram transferidos para dentro do Xingu [hoje têm reserva própria]“.

Em 2007, Novaes gravou novo documentário no parque, Xingu – A terra ameaçada, que mostra a realidade do Xingu atualmente.

 

Arquivo Família Villas Bôas
O médico e indigenista Nnoel Nnutels, ao lado de Marina Villas Bôas (à direta), atende a um índio Txikão (Iikpeng), em 1968

 

Arquivo Família Villas Bôas
Orlando abraça um índio Txikão (Iikpeng), em 1967

Um parque para os índios

Um marco para a concepção do parque aconteceu em 1952. Nesse ano, Orlando Villas Bôas, o antropólogo Darcy Ribeiro, Heloísa Alberto Torres (1895-1977) e o brigadeiro Raymundo Vasconcellos Aboim apresentaram um anteprojeto de lei ao vice-presidente da época, Café Filho, para que fosse criado o Parque Nacional do Xingu, com apoio do marechal Rondon. A materialização dessa proposta ocorreu em 19 de abril de 1961, com o decreto federal nº 50.455, sancionado pelo presidente Jânio Quadros. Nesse mesmo ano, Leonardo, o mais jovem dos irmãos Villas Bôas, morreu de problemas cardíacos.

Os desafios para o estabelecimento do parque eram muitos, começando pelas dimensões do território e pela diversidade dos troncos linguísticos diferentes que o ocupariam – ficaram definidos o Aruak, o Jê, o Karib e o Tupi. A área foi demarcada abrangendo uma extensão de terras e rios, sendo o principal o Xingu. O parque possui mais de 27 mil quilômetros quadrados e fica localizado na região nordeste do Estado do Mato Grosso. O local exibe uma rica biodiversidade, com vegetações que vão das savanas à floresta amazônica. A demarcação atinge parte dos municípios de Canarana, Paranatinga, São Félix do Araguaia, São José do Xingu, Gaúcha do Norte, Feliz Natal, Querência, União do Sul, Nova Ubiratã e Marcelândia.

Devido às peculiaridades geográficas, o território é dividido em alto, médio e baixo Xingu, em direção do sul ao norte. Com a concepção do parque, algumas etnias acabaram se unindo, criando uma miscigenação que as aproximaram. Mas outros povos, por sua vez, têm pouco contato, devido às distâncias terrestres e diversidade dos troncos linguísticos.

Noel Villas Bôas
Ííndios tocam a flauta uruá na aldeia Kamaiurá, no Aalto Xingu. Aatualmente, os povos indígenas que vivem no parque precisam lutar para preservar suas culturas
 

Orlando e Cláudio foram nomeados os primeiros diretores do parque, que também ficou sob a responsabilidade do Serviço de Proteção ao Índio, do Museu Nacional (RJ), do Instituto Oswaldo Cruz, dentre outros órgãos. Os Villas Bôas promoveram o ingresso de algumas etnias para a área do parque, a fim de que “ficassem protegidos nessa delimitação”. Segundo o site Povos Indígenas no Brasil, isso ocorreu com os Kaiabi, Ikpeng e Tapayuna, que foram transferidos para o lado norte.

Outros dois povos, Tapayuna e Panará (da família linguística Jê), também entraram em contato com os irmãos Villas Bôas e chegaram a ser levados para dentro do parque durante a década de 1960. Entretanto, anos depois decidiram sair. No caso dos Panará, conseguiram a homologação de seu antigo território Panará. Já os Tapayuna se deslocaram a partir de 1987 para as aldeias Metyktire e Kremoro, do povo Metyktire, na terra indígena Capoto/Jarina.

A luta indígena continua

As décadas se passaram e as 14 etnias que ficaram concentradas no Xingu, como meio de proteção à sua sobrevivência, enfrentam atualmente uma batalha contínua pela preservação do patrimônio cultural e ambiental indígena. As novas gerações de muitas tribos já assimilam a cultura branca, com a educação bilíngue e o vestuário adotado nas aldeias. Por isso, os mais velhos temem pela perda das raízes ancestrais.

A luta pela vida e pelo espaço também continua por causa da pressão de fazendeiros com o expansionismo da agricultura – em especial da soja –, a extração de borracha e madeira, que agem no entorno do parque. A construção de hidrelétricas em rios que desembocam no Xingu é mais uma preocupação do ponto de vista ambiental e de sustentabilidade desses povos.

Segundo o site Povos Indígenas no Brasil, a ocupação predatória é preocupante. A cultura de soja é uma das que mais se alastra e avança em direção ao parque. Outro alerta no aspecto de preservação diz respeito a rotas rodoviárias Cuiabá-Santarém (BR-163) e BR-158, que circulam próximas ao parque indígena.

Referências:
 
Irmãos Villas Bôas, FUNAI. Disponível em http://www.funai.gov.br/indios/personagens/vilas_boas.htm. Acessado em 15/12/2008.
 
VILLAS BÔAS, Orlando e Cláudio. A marcha para o Oeste” – A epopeia da expedição Roncador-Xingu. 5ª edição. Globo. 1994.
 
Filho, Orlando Villas Bôas. Org. Orlando Villas Bôas – expedições, reflexões e registros. Metalivros. 2006.
 
NOVAES, Washington. Xingu – uma flecha no coração. Brasiliense. 1985.
 
Povo do Xingu, Site Povos Indígenas no Brasil, Instituto Socioambiental (ISA). Disponível em http://pib.socioambiental.org/pt/povo/xingu. Acessado em 15/12/2008.
 
Site Povos Indígenas no Brasil: http://pib.socioambiental.org/

Sucena Shkrada Resk é jornalista e escreve para esta publicação.

Xingu – Um paraíso sob ameaça – Portal Ciência & Vida – Filosofia  Xingu – Um paraíso sob ameaça. Na década de 1940, os irmãos Villas Bôas se sendo um oásis quase intocado, a região tem si. Por Sucena Shkrada Resk leiturasdahistoria.uol.com.br/…/artigo134622-1.asp -

Escribió  para El Polvorin Blog Malcolm Allison

Compartir este post

Comentar este post